Acontece

Notícias

YAMAHA CONQUISTA 4º LUGAR NO GP DA MALÁSIA 06/11/2018

Em uma bela atuação, Vinãles mostra mais uma vez estar apto a brigar pelas primeiras colocações no MotoGP.

Download em PDF

 

FOTO: YAMAHA RACING

O resultado do GP na Malásia poderia ter sido mehor para a Yamaha, mas mesmo assim, serviu para mostrar que seus pilotos estão mais competitivos a cada prova, voltando a disputar as primeiras posições.

Viñales é um bom exemplo disso. O piloto espanhol largou do 11º no grid e logo nas primeiras voltas já ocupava a 10ª posição. Com os pneus aquecidos, ele começou seu ataque, melhorando o ritmo a cada volta, igualando seu tempo ao dos pilotos do pelotão da frente.

A nove voltas do final e em sétimo lugar, Viñales passou Andrea Dovizioso e fez o mesmo com o compatriota Dani Pedrosa. Emborar a lacuna que havia entre ele e Álex Rins fosse pequena a ponto de inspirar confiança para um ataque, o piloto da Yamaha não conseguiu pegá-lo. Como o erro de seu companheiro de equipe que seguia na frente e caiu, Viñales cruzou a linha em quarto lugar, a 4.667s do primeiro.

Para Valentino Rossi o GP da Malásia teve dois lados. O bom, que mostrou a competitividade do Italiano e sua Yamaha M1, e o ruim, em função do tombo que o tirou a liderança da prova.

O iniício da corrida prometia para Rossi. Ele que havia conseguido o segundo lugar no grid,  assumiu a ponta e se mostrou firme na posição. Contudo, em função do desgaste acentuado nos pneus por conta do calor, Marc Marquez  que seguia em segundo se aproximou, representando perigo de ultrapassagem.

 

FOTO: YAMAHA RACING

O Rossi reagiu aumentando o ritmo e defendeu a liderança de forma brilhante. Contudo, na curva 1 na 17ª volta ele deslizou pelo asfalto, sofrendo uma queda. Rossi até retornou a corrida, mas não a tempo de resuperar posições. Sendo assim,  cruzou a linha de chegada em 18º lugar, a 58.288s do primeiro.

Os resultados no GP da Malásia mostram Rossi se mantendo na terceira posição da classificação do campeonato com uma diferença de 25 pontos para o segundo. Viñales, em quarto lugar, reduziu a diferença para seu companheiro de equipe para 2 pontos. A Yamaha segue em terceiro lugar no Campeonato de Construtores, com uma margem de 38 pontos, enquanto a equipe Movistar Yamaha MotoGP continua na segunda posição na tabela, com agora uma diferença de 39 pontos.

 

SOBRE A YAMAHA MOTOR DO BRASIL

A marca dos três diapasões – menção ao conhecido escudo com três diapasões sobrepostos, se estabeleceu no Brasil em 1970 com a Yamaha Motor do Brasil Ltda. Foi a primeira fabricante de motocicletas a se instalar efetivamente no País. Já em outubro de 1974 passou a produzir em Guarulhos, São Paulo, o primeiro modelo nacional, a Yamaha RD 50. Em 1985 se estabelece em Manaus, Amazonas com uma segunda unidade fabril, a Yamaha Motor da Amazônia Ltda. Hoje são 56 diferentes versões e 27 modelos de motocicletas, 10 modelos WaveRunner (veículos aquáticos), 26 modelos de motores de popa e uma Rede com mais de 340 concessionárias e pontos de venda autorizados e capacitados no atendimento e serviços com qualidade. O Grupo Yamaha Motor no Brasil é constituído por oito empresas, como a Yamaha Motor do Brasil Ltda, Yamaha Motor da Amazônia Ltda, Banco Yamaha Motor do Brasil S/A, Yamaha Administradora de Consórcio Ltda, Yamaha Motor do Brasil Corretora de Seguros Ltda, Yamaha Motor Componentes da Amazônia Ltda, Yamaha Motor do Brasil Serviços e Participações Ltda e a Yamaha Motor do Brasil Logística Ltda. Fazem parte do grupo também as subsidiárias Yamaha Motor Selva del Peru S/A, Yamaha Motor Uruguai S/A e Yamaha Motor Argentina S/A. A Yamaha do Brasil é um importante polo produtor e exportador para grupos seletos e exigentes como, Europa, Estados Unidos, Canadá, Japão, Oceania e Mercosul.

Para mais informações, acesse:

www.yamaha-motor.com.br,  

www.facebook.com/yamahamotorbrasil ou Instagram/yamahabrasil

Yamaha Media Center:

www.yamaha-motor.com.br/acontece/sala-de-imprensa

AVISO DE FRAUDE

Através de denúncias recebidas em nosso SAC, a YAMAHA tomou conhecimento de que, por intermédio de sites de compra especializados, classificados de jornais e telemarketing, estão sendo oferecidos produtos de nossa marca com condições diferenciadas e valores inferiores aos de mercado.

Esses anúncios consistem na oferta de produtos por supostos funcionários da Yamaha ou por funcionários de supostas empresas parceiras da Yamaha ou, ainda, por terceiros que alegam terem sido premiados com produtos da marca ou terem adquirido os produtos com descontos diretamente na fábrica, a fim de justificar os baixos valores anunciados.

Para dar maior realidade à fraude, esses criminosos falsificam documentos, e-mails, supostos comprovantes de transações bancárias e notas fiscais coma logomarca da YAMAHA e/ou do nome de uma Concessionária da marca, na tentativa de induzir a pessoa interessada na compra a acreditar tratar-se de operação legal.

Para evitar esse tipo de fraude, confirme a veracidade das informações apresentadas no anúncio visitando pessoalmente a concessionária antes de concretizar a compra, e principalmente, antes de efetuar qualquer pagamento, que deverá, necessariamente, ser realizado na conta bancária da concessionária e, nunca, em nome de terceiros, sob qualquer pretexto.

A lista completa das concessionárias autorizadas da marca YAMAHA pode ser consultada no seguinte endereço eletrônico: www.yamaha-motor.com.br

Para mais informações, consulte o nosso SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) pelo telefone (11) 2431-6500, de segunda à sexta-feira, das 8h30 às 17h30, exceto feriados, ou por e-mail: sac@yamaha-motor.com.br - SAC Consórcio: 0800-774-3233 ou e-mail: sac.consorcio@yamaha-motor.com.br - SAC Banco: 0800-774-8283 ou e-mail: sac.banco@yamaha-motor.com.br - ou ainda o CAS - Atendimento aos portadores de deficiência auditiva ou de fala: 0800-774-1415.

YAMAHA MOTOR DO BRASIL LTDA.
YAMAHA MOTOR DA AMAZÔNIA LTDA.
YAMAHA ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIO LTDA.
BANCO YAMAHA MOTOR DO BRASIL S.A.
YAMAHA MOTOR DO BRASIL CORRETORA DE SEGUROS LTDA.

Contratação de consórcio X
Comunicado - 2ª via de boleto
Voltar ao topo